O que é Comunidade de Prática?

O que é Comunidade de Prática?

Como criar com sucesso uma plataforma para compartilhamento de conhecimento e crescimento do negócio

Introdução - Comunidade de Prática

Uma Comunidade de Prática (CoP – Community of Practice) se refere a um grupo de pessoas que compartilham a mesma paixão ou interesse e se reúnem para praticar a aprendizagem coletiva. Foi proposto pela primeira vez por Jean Lave e Etienne Wenger em 1991. Sete anos depois, Wenger elaborou ainda mais o conceito e publicou um livro sobre como discutir em detalhes, a estrutura e o propósito das comunidades de prática.

As comunidades de prática (CoPs) existem antes mesmo delas serem rotuladas por estudiosos e teóricos da educação. Na verdade, é considerada uma natureza fundamentalmente social dos seres humanos. Mas com o número crescente de comunidades online, juntamente com a necessidade crescente da gestão do conhecimento em organizações e negócios, as comunidades de prática tem recebido muito interesse ultimamente.

Comunidades de prática podem ser definidas em parte como um processo de aprendizagem social. Ocorre quando as pessoas colaboram por um longo período de tempo para compartilhar ideias e estratégias e determinar soluções. Atualmente, as comunidades de prática (CoPs) são vistas como uma forma de promover a inovação, facilitando o compartilhamento e transferência de conhecimento e melhoria de processos.

O que é uma Comunidade de Prática (CoP)?

Comunidade de prática é um termo muito amplo. Pode ser usado para se referir a qualquer grupo de pessoas, desde acadêmicos que estão no processo de criação de algo novo ou alunos concluindo seu projeto de ciências, para um grupo de programadores desenvolvendo novas tecnologias.

No entanto, é importante lembrar que nem todas as comunidades são consideradas comunidades de prática. Para ser considerada como uma CoP, três características são cruciais.

Domínio

Uma comunidade de prática não é simplesmente um grupo de indivíduos ou uma rede de conexões. Eles tem que compartilhar um interesse comum. Em um contexto organizacional, a adesão a uma CoP implica em um compromisso para o domínio e aprendizado. 

O interesse comum pode ser baseado em sua profissão (por exemplo, programadores de uma determinada tecnologia, analistas, profissionais de marketing, executivos de startups, CEOs, etc.).

Comunidade

Compartilhar um interesse comum não é suficiente. Um componente necessário da CoP é a regular interação dos membros. Eles têm que se envolver em atividades compartilhadas, como fóruns, seminários, avaliações, experimentos, etc. Uma comunidade de prática cultiva relacionamentos que ajudarão seus membros a crescer e se desenvolver.

Apenas fazer parte de uma equipe de trabalho especialista em uma função não é suficiente para ser considerado uma CoP. Um grupo de testadores trabalhando na mesma empresa não é considerado uma comunidade de prática, embora compartilhem um domínio. Sem se envolver em atividades que promovam a aprendizagem coletiva, esses grupos são simplesmente chamados de equipes ou departamentos.

Em seu livro Comunidades de Prática, Wenger citou pintores impressionistas que ocasionalmente se encontram um com o outro para discutir seus estilos de pintura. Ele observa que mesmo que essas pessoas pintem sozinhas ou tenham suas carreiras individuais de pintura (sem associação profissional), eles interagiam regularmente – um componente importante de uma comunidade de prática.

Prática

Comunidades de Prática não são apenas grupos de pessoas com um interesse comum que se reúnem regularmente para discutir coisas e se envolver em várias atividades. O terceiro e o componente mais notável das CoPs é que elas devem ser praticantes. 

Conforme a comunidade de prática evolui, os membros desenvolvem um repertório compartilhado de recursos destinados a facilitar a aprendizagem e a transferência de conhecimento. Esses recursos podem incluir histórias, ferramentas de colaboração e abordagens para a resolução de problemas, entre outros.

As CoPs utilizam uma variedade de métodos para desenvolver sua prática. Isso pode incluir resolução de problemas, coordenação com outros membros, discutindo desenvolvimentos, mapeando conhecimento, reutilizando ativos e identificando lacunas de conhecimento.

Comunidade de Prática

Comunidade de prática é uma estrutura de compartilhamento de conhecimento

Comunidades de prática são um componente-chave do compartilhamento de conhecimento. Atualmente é aplicada em várias configurações organizacionais como uma importante ferramenta para a promoção das melhores práticas, disseminando conhecimento tácito, e até mesmo o desenvolvimento de produtos e serviços.

De acordo com Wenger, o aprendizado é crucial para a identidade humana. E quando os indivíduos participam ativamente de uma comunidade de prática, eles aprendem e desenvolvem habilidades. Além disso, quando eles são motivados para se tornarem uma parte central da comunidade, eles estão muito mais dispostos a aprender e compartilhar seu conhecimento.

Seja por meio de nossa profissão, colegas de trabalho, organização ou até mesmo interesses, quase todos nós fazemos parte de algo similar a uma comunidade de prática. O principal objetivo de uma comunidade da prática é a geração de um nível maior e mais profundo de conhecimento por meio das atividades e colaborações dos membros.

Comunidade de Prática no contexto empresarial

Comunidades de prática têm sido usadas há muito tempo nos campos da saúde e da educação como uma estratégia eficaz para a criação de diretrizes de prática. No mundo dos negócios, o papel das comunidades de prática é observado principalmente na estrutura de gestão do conhecimento.

Como a gestão do conhecimento evoluiu, a necessidade de uma estrutura eficaz tornou-se muito aparente entre as organizações. Em particular, as comunidades de prática podem ajudar as empresas:

  • Gerar novas linhas de produtos ou serviços;
  • Divulgar as melhores práticas entre os colaboradores;
  • Resolver problemas;
  • Desenvolver habilidades profissionais;
  • Ajudar as empresas a encontrar e reter talentos;

As empresas enfrentam enorme pressão para gerar novas ideias, de novas linhas de produtos a novos conceitos de marketing. Assim, elas são compelidas a explorar diferentes métodos para obter percepções significativas.

Para atender às demandas em constante mudança dos consumidores modernos, as empresas entenderam a importância da inovação como um processo aberto e colaborativo. O surgimento de comunidades de prática online permitiu que as empresas gerassem ideias inovadoras integrando percepções e comentários do cliente no desenvolvimento de produtos e conceitos de marketing.

Comunidades patrocinadas por empresas surgiram, o que não só permitiu que as empresas buscassem uma melhor conexão com os clientes, mas também ajudou a fortalecer sua marca, aumentar a lealdade, aumentar o conhecimento da marca e gerar entusiasmo entre clientes.

Nike, Dell e Adobe estão entre os gigantes da tecnologia que utilizaram comunidades de prática para construir sua marca e aumentar o envolvimento do cliente.

Divulgando as melhores práticas entre os colaboradores

Pensar junto se tornou o mantra de muitas organizações para melhorar processos, linhas de produtos, fluxos de trabalho e muito mais. Identificar as melhores práticas dentro de uma empresa não é fácil por vários motivos. 

Primeiro, há uma grande lacuna entre o que as coisas parece em um manual e como as coisas são na realidade. Em segundo lugar, há uma grande diferença entre o que os colaboradores pensam que fazem e o que realmente fazem.

Um exemplo famoso de como uma comunidade de prática pode ser usada no compartilhamento das melhores práticas é o da Xerox. Da perspectiva do processo, os representantes de atendimento ao cliente precisam seguir certas etapas para resolver vários problemas. Por exemplo, um cliente liga, o representante verifica a central de ajuda, procura maneiras de corrigir o erro, relata o estado da máquina, documentos e segue as instruções para corrigi-lo.

Surpreendentemente, quando foi comparado o que os representantes de atendimento ao cliente realmente fazem
versus o que eles deveriam fazer (com base no manual), ele descobriu que os técnicos tiveram mais sucesso quando se afastaram dos processos formais.

O que eles fizeram de diferente que os ajudou a resolver os problemas dos clientes de uma maneira muito mais eficaz? Acontece que os representantes da Xerox diariamente compartilhavam problemas e até geravam novos insights sobre problemas difíceis, fazendo perguntas, compartilhando ideias, contando sobre seus erros, discutindo mudanças em seu trabalho e trocando ideias sobre como eles podem resolver os problemas dos clientes de forma mais eficaz. Essas simples conversas valem horas de treinamento.

Resolvendo problemas

Após uma fusão global, a Paragon – uma organização farmacêutica percebeu que tinha especialistas no assunto em todo o mundo. No entanto, essas pessoas não conheciam uns aos outros e não tinham as ferramentas para colaborar e contribuir para a resolução de problemas. A empresa sabia que o conhecimento compartilhado entre esses indivíduos era vital para reduzir o custo associado às operações de fabricação. 

Com isso, a Paragon criou uma comunidade de solução de problemas que envolvia trabalhar com equipes para identificar áreas técnicas para abordar e compartilhar as melhores práticas para resolver problemas. Conectando equipes de várias fronteiras geográficas para colaborar e compartilhar conhecimento, a Paragon economizou milhares de dólares devido ao tempo de inatividade reduzido para processos de fabricação e equipamentos. 

Determinar equipamentos danificados, consertar problemas técnicos, e resolver problemas semelhantes tornou-se possível por causa da comunidade de prática que foi criada.

Desenvolva habilidades profissionais

Talvez o uso mais comum das comunidades de prática seja em ajudar os indivíduos a terem sucesso em sua profissão através da transferência de conhecimento. Comunidades de prática são amplamente utilizadas dentro das organizações como uma ferramenta de desenvolvimento profissional.

Compartilhamento de conhecimento é praticado de várias maneiras, a partir de reunião mensal em que os colaboradores compartilham dicas de produtividade, discutem desafios de mercado, resultados de vendas e aprimoram suas habilidades.

O que diferencia as comunidades de prática de outros modelos de aprendizagem é que elas são construídas em torno de uma prática que os participantes já fazem e gostariam de fazer melhor. 

Uma comunidade de prática também promove a aprendizagem fluida, em que a participação de um membro varia de pessoa para pessoa. Por exemplo, pode-se inicialmente começar como um ouvinte e mais tarde se tornar um participante ativo e eventualmente se tornar um facilitador das atividades da comunidade.

Atraia e mantenha os melhores talentos

Ajudar os colaboradores a desenvolver e aprimorar suas habilidades é a chave para manter grandes talentos. As organizações modernas estão incentivando o uso de ferramentas e plataformas que permitem que seus funcionários se comuniquem e colaborem, troquem dicas e conselhos, e motivem uns aos outros.

Essa estratégia ajuda as empresas a alcançar duas coisas: facilitar a transferência de conhecimento e promover o desenvolvimento pessoal e profissional, o que ajuda a reter os melhores colaboradores. 

A integração das comunidades de prática no treinamento incentiva o colaborador a acessar recursos de aprendizagem, conectar-se com seus colegas, fazer perguntas e obter o suporte de que precisa.

Comunidades de prática: Compreendendo os benefícios e custos

Dentro das organizações, os membros das comunidades de prática são motivados por seu desejo intrínseco para aprender, compartilhar seu conhecimento e experiência e aprender com seus colegas. As empresas precisam apoiá-los, capacitá-los e fornecer-lhes as ferramentas de que precisam para prosperar e beneficiar sua organização em troca.

Como as CoPs ajudam as organizações a criar valor, tanto para seus funcionários quanto para a organização?

Valor de curto e longo prazo

Dentro de uma empresa, os colaboradores podem obter ajuda imediata para vários problemas e perder menos tempo procurando soluções ou informações. Simplesmente ouvindo as experiências e perspectivas de seus pares, os membros das comunidades de prática podem conceber melhores soluções e tomar melhores decisões. 

Uma vez que os membros se sentem apoiados por sua comunidade, eles são mais propensos a experimentar coisas novas e assumir riscos. 

Como um valor de longo prazo, as comunidades de prática contribuem significativamente para a estratégia de longo prazo da organização e impulsionam o crescimento e o sucesso, atendendo à necessidade de desenvolvimento profissional, ajudando os funcionários a se manterem atualizados sobre os novos  desenvolvimentos em seus campos e obter percepções significativas de clientes e funcionários na criação de novos produtos e / ou serviços.

Valor tangível

Essas comunidades ajudam a criar resultados tangíveis, como acesso mais rápido às informações, custos reduzidos, habilidades aprimoradas, fluxo de trabalho aprimorado, novas metodologias, novos produtos e muitas outras formas de inovação. 

Mais importante, as CoPs levam a resultados intangíveis, como os relacionamentos construídos entre as pessoas e o sentimento de pertencimento.

Desenvolvimento profissional e estratégia corporativa

Comunidades de prática permitem que as empresas criem estratégias de negócios, promovendo aprendizagem coletiva. 

Os membros podem propor quais estratégias pensam para agregar valor a organização, ao mesmo tempo que se beneficiam diretamente de sua participação.

Comunidade de prática: Financiamento é necessário?

O financiamento pode ser um fator essencial para o sucesso de uma comunidade de prática, especialmente durante seus estágios de formação. Utilizar uma ferramenta de colaboração, conduzir workshops, organizar eventos, criar um site e outras atividades podem envolver recursos significativos.

No entanto, preciso dizer que o financiamento nem sempre garante a participação e o entusiasmo dos membros da comunidade, essa não pode ser uma iniciativa imposta pelo RH da empresa por exemplo, é necessário inserir esse tipo de iniciativa na própria cultura da empresa

Abaixo você pode ver o exemplo da Airbnb, que utiliza as comunidades de prática de forma integrada com sua missão e cultura.

Exemplo Airbnb - Iniciativa Airfinity

Para a Airbnb não há pertencimento sem diversidade e inclusão. Criar um lugar onde o mundo seja a sua casa requer ações reais para construir um ambiente de trabalho onde todos sintam-se bem-vindos e onde todas as vozes sejam ouvidas.

A iniciativa construída pela Airbnb é um exemplo perfeito de ligação entre os valores fundamentais da empresa com comunidades de prática. Os grupos Airfinity são grupos de recursos liderados por funcionários para celebrar experiências individuais que tornam a comunidade da airbnb tão incrível.

“Ouvir à diversidade de vozes dos nossos colaboradores nos ajuda a construir um futuro melhor.”

Eles expandem a conscientização e o ativismo relacionados a causas importantes para os colaboradores e ajudam a guiar as iniciativas pró-diversidade da empresa em recrutamentos, liderança, desenvolvimento de produtos e da comunidade.

Fazer as pessoas se sentirem bem-vindas está no coração da cultura da Airbnb, em uma cultura acolhedora, as pessoas se sentem incluídas e valorizadas, têm um claro senso de pertencimento e estão ansiosas para aceitar outras pessoas.

As empresas frequentemente anunciam seus programas de inclusão e diversidade. O teste real, no entanto, é a medida em que essas iniciativas se materializaram em comportamentos cotidianos de inclusão independente da raça, sexo, idade, profissão e posição na hierarquia.

Comunidades de Prática da Airbnb

Inclusão e Pertencimento

Guia para implementar uma comunidade de prática na sua empresa

Comunidades de prática podem ter um valor imenso para uma organização, eu apresentei exemplos de empresas de sucesso que utilizam essa prática.

Na Shell, as comunidades de prática economizaram 200 milhões de dólares em exploração e produção, garantindo que as equipes em todo o mundo tenham acesso à experiência coletada.

Mas o que é necessário para construir uma comunidade de prática bem-sucedida na sua empresa?

Comunidades de prática bem-sucedidas compartilham características comuns. Uma é que elas têm um propósito claro

Como qualquer outra equipe dentro de uma organização, a construção de uma comunidade de prática começa identificando seus objetivos. Quer se trate de aumentar a eficiência no atendimento com o cliente, avançar no marketing do produto ou melhorar os processos, as pessoas precisam saber do que se trata a comunidade para que possam decidir participar ou não e se a comunidade os ajudará a prosperar profissionalmente.

Ao definir os objetivos da comunidade, as organizações devem abordar preocupações relacionadas ao domínio, como:

  • Que tópicos específicos a comunidade deseja abordar?
  • Como esses tópicos são relevantes para a organização?
  • Que tipo de influência a comunidade terá na organização?
  • Quem assumirá papéis de liderança na CoP?

Eles também devem abordar questões relacionadas à comunidade, como:

  • Quem serão os membros da comunidade? 
  • Como os novos membros serão apresentados?
  • Com que frequência a comunidade se reunirá?
  • Como os membros se conectarão?
  • Como eles resolverão os conflitos?

Por último, questões relacionadas à prática:

  • Como a comunidade irá compartilhar, armazenar, usar e atualizar o conhecimento?
  • Como eles avaliarão a eficácia de sua comunidade?
  • Como eles vão garantir a comunicação contínua entre os membros?

É importante lembrar que o valor que as CoPs trazem para a organização não é, e não será, a razão para o envolvimento ativo e apoio dos membros. Em vez disso, é o valor da CoP para eles como praticantes individuais.

Assim, uma etapa crucial na construção de uma Comunidade de Prática é demonstrar seus benefícios para o
membros. 

  • Como a comunidade ajudará a atingir seus objetivos? 
  • Como isso tornará suas vidas melhores?
  • Como isso os ajudará a se desenvolver profissionalmente? 

Quaisquer que sejam os benefícios (e eles devem existir!), eles precisam ser comunicados claramente aos membros em potencial.

Mesmo que as CoPs tenham uma natureza fluida de comunicação e trabalho conjunto, tem que haver um líder forte que irá encorajar a participação contínua e envolvimento dos membros. 

Como outras comunidades sociais, as CoPs são frequentemente criadas com grande entusiasmo e empolgação, mas com o passar do tempo, as coisas podem ficar menos interessantes para os membros.

Os líderes comunitários têm o papel mais importante na comunidade. Eles são aqueles que fazem networking
dentro da comunidade e encontram membros e incentivam a participação dos membros, facilitando atividades.

Os líderes, também conhecidos como ‘moderadores’ ou ‘facilitadores’, são responsáveis não apenas por manter o
membros engajados, mas também garantindo que a comunidade está cumprindo seu propósito corretamente. Eles cuidam disso que as atividades relevantes estão alinhadas, os membros estão interagindo regularmente uns com os outros, e o recursos de prática ou compartilhamento de conhecimento são atualizados.

Um meio de comunicação adequado é indispensável em uma comunidade de prática, especialmente se os membros não têm meios de se encontrar regularmente em pessoa para conduzir reuniões e atividades.

Especificamente, a plataforma de comunicação deve:

  • Servir como um local de aprendizagem e colaboração contínua para os membros.
  • Fornecer meios para capturar e transferir conhecimento e melhores práticas.
  • Fornecer uma abordagem inovadora para ajudar os membros a abordar questões específicas.
  • Fornecer um local para os membros trabalharem juntos com ferramentas como videoconferências, mensagens, arquivo compartilhamento, programação, etc.

Os especialistas sugerem que, para fazer a comunidade funcionar, os membros individuais devem receber o dobro em benefícios em relação ao esforço que eles colocam.

Compartilhar e preservar o conhecimento é vital para qualquer comunidade de prática. A maneira como os membros aprendem é por meio da narração de histórias com base nas experiências da vida real. 

Informações valiosas podem ser obtidas nas conversas diárias e, portanto, deve haver uma maneira eficiente de compilar o conhecimento para que toda a comunidade também possa aprender.

Existem várias maneiras de gerenciar a transferência de conhecimento dentro das CoPs. O uso de
plataformas de gestão ou colaboração é uma delas. Também pode ser tão simples quanto colocar um quadro kanban

Embora o líder ou facilitador geralmente seja o único designado para registrar e atualizar conhecimentos e melhores práticas compartilhadas, a tarefa pode ser atribuída a outras pessoas.

Muitas CoPs são criadas sem identificar suas formas de trabalho. Enquanto as CoPs prosperam mais em uma estrutura horizontal mais plana, é importante concordar em algumas coisas, como:

  • Com que frequência os membros devem se encontrar?
  • Quais são os benefícios e obrigações de cada participante?
  • Como os desacordos serão resolvidos?

Os membros devem saber o que esperar antes de ingressar na comunidade. 

Algumas comunidades de prática tem uma associação rigidamente controlada que exige que os indivíduos tenham um certo nível de experiência no assunto antes que eles possam fazer parte delas. Enquanto isso, existem comunidades com uma associação extremamente aberta onde é simplesmente querer fazer parte dela.

Sem interação regular, as comunidades de prática fracassam. Com a tecnologia digital, a maioria das comunidades costuma operar online. Os membros têm acesso ao conhecimento sempre e onde quer que eles precisem. No entanto, as interações face a face ainda são necessárias. 

CoPs não prosperam apenas por causa do conhecimento que os membros esperam obter, mas também por causa dos relacionamentos que eles constroem.

Comunidades de prática são, sem dúvida, ótimos locais para compartilhamento de conhecimento. Mas para
ter sucesso, as CoPs exigem uma base sólida. Além disso, conforme a comunidade se desenvolve, mais suporte de facilitação é necessário.

Passos para estabelecer uma Comunidade de Prática

O primeiro e mais importante passo na criação de uma comunidade de prática é definir seu propósito. 

Além do compartilhamento de conhecimento, muitas empresas capitalizam as CoPs para resolver problemas específicos, desenvolver, validar e divulgar as melhores práticas e, por último, inovar.

A associação pode ser proveniente de um departamento específico ou de várias equipes. Também pode incluir
indivíduos de diferentes organizações (por exemplo, CEOs de diferentes start-ups). 

O escopo e o propósito da comunidade deve ser explicado antes de convidar novos membros, para que eles possam decidir se a comunidade é relevante para eles.

Além do escopo e do propósito definido pelo líder ou executivo, a comunidade de prática precisa ter seus próprios objetivos específicos, que podem ser determinados através da realização de uma pesquisa perguntando aos colaboradores ou membros da equipe sobre seus objetivos e expectativas pessoais.

Habilite coordenação e suporte.

Cada comunidade de prática requer apoio inicial e facilitação. Um coordenador cuidará de determinar locais para reuniões, manter as plataformas de comunicação e fornecer suporte administrativo.

É difícil dizer se uma comunidade de prática foi bem sucedida ou não sem facilitar um método de avaliação, que pode envolver a obtenção de feedback dos membros. 

A avaliação deve incluir a determinação do nível de participação dos sócios, sua presença nas reuniões,
resultados alcançados, aceitação e uso de ferramentas e satisfação dos membros.

Nutrindo comunidades de prática modernas dentro das organizações

Uma vez que a comunidade esteja estabelecida, os líderes e executivos devem certificar-se de que recebem
suporte adequado para que os membros prosperem e tenham sucesso.

Integração Tecnológica.

Nas organizações modernas, o uso do eLearning como um meio padrão de compartilhamento de conhecimento e
informações permitem que as comunidades de prática aprendam juntas, apesar das fronteiras geográficas.

Organização do projeto.

Em CoPs, os projetos podem ser organizados de três maneiras diferentes:

  • Organização funcional – os projetos são iniciados e gerenciados nas áreas funcionais.
  • Organização por projeto – os projetos são trabalhados por membros da equipe, um de cada vez.
  • Organização matricial – os membros trabalham em projetos em tempo parcial, enquanto trabalham em tempo integral com seus papéis.

A terceira abordagem é a mais popular entre as CoPs porque facilita o eficaz compartilhamento e permite que os membros acessem tecnologias e experiência na organização. No entanto, tem consequências associadas. 

Os gerentes devem se certificar de que eles serão membros participando de uma comunidade de prática para ajudá-los a ter sucesso.

Gestão da Qualidade

As comunidades precisam de um plano de qualidade formal cobrindo estratégias e metodologias de compartilhamento de conhecimento e interação. A organização deve trabalhar com a comunidade e facilitadores para garantir que as atividades da organização sejam efetivamente realizadas.

Sumário e Conclusão

As organizações modernas as utilizam para facilitar a transferência de conhecimento e melhores práticas, inovar técnicas e estratégias, promover o desenvolvimento profissional entre os membros e desenvolver novos produtos e serviços.

Ao contrário de equipes regulares, unidades de negócios e grupos de trabalho, as comunidades de prática são impulsionadas pelo desejo inato dos membros de aprender e desenvolver suas habilidades. 

Em muitos casos, elas são formados naturalmente, fora das pausas para o almoço ou conversas diárias onde os indivíduos podem contar histórias e suas experiências pessoais na resolução de problemas no trabalho.

Líderes e executivos têm papel fundamental na gestão de comunidades de prática. Enquanto o financiamento nem sempre é necessário, pode ser útil para fornecer à comunidade ferramentas para facilitar o compartilhamento de conhecimento e melhores práticas.

Os líderes e executivos devem garantir que os membros participem ativamente em sua comunidade por meio de interações virtuais e face a face. Os membros precisam ver os benefícios que eles podem ganhar por fazer parte da comunidade mais do que os benefícios que a organização terá.

Além disso, a comunidade deve se adequar à cultura da organização.

Elas não precisam de monitoramento rigoroso, pois pode prejudicar a natureza de fluxo livre de interação, essencial na promoção e aquisição de conhecimentos.

Espero que tenha gostado do conteúdo e das dicas.

Um grande abraço e até a próxima!

Contribuição de:

Teste grátis nossa plataforma com a sua equipe por 7 dias, sem custos, sem cartão de crédito.

Aprenda a construir uma cultura que valorize sua marca, resolva os problemas de gestão, melhore os resultados dos negócios e atenda ao propósito da sua organização.

Está gostando desse conteúdo? Temos uma dica para você!

Faça uma análise gratuita do seu engajamento e da cultura da sua equipe de trabalho!

Faça um tour pela Amo Onde Trabalho totalmente de graça, conheça como a plataforma funciona e quais os benefícios que ela pode trazer para a sua equipe de trabalho!

Conheça, não custa nada :)

× Fale com a gente!